Redes Sociais. Para que vos quero.

A minha primeira vez na internet, e o que isso mudou em mim.

A minha primeira vez na internet, e o que isso mudou em mim.

Lembro-me perfeitamente da primeira vez que me liguei à internet. Tinha um modem de 25k que fazia tanto barulho a ligar, tal e qual uma impressora de agulhas. Esta lembrança não vem ao acaso. Naquela altura não tinha rede sociais, tinham um e-mail que foi a minha estreia, com um hotmail, ou talvez um sapo?! Ía à internet para ver “aquilo” só a mexer, quase que era como uma recompensa de final de dia, depois de jantar e de arrumar tudo, podia ir um bocadinho para a internet. Ía ao Sapo ver o tempo, às vezes o horóscopo porque era o que lá estava. Não tardei muito a ter uma conta no mIRC. Como tudo se passava no computador, combinava-se uma hora para falarmos. Tinha alguns penfriends com quem trocava correspondência e que comecei a trocar mensagens pelo mIRC.

E, era isto.

Pouco mais se passava. Não se partilhava o dia na internet, nem se falava para a internet. Era basicamente conversa, com hora marcada.

Mais tarde lembro-me perfeitamente do lançamento do primeiro iPod touch, estava a tirar a Pós-Graduação de Marketing e Business Intelligence, nos ISLA. Fiquei fascinada que ainda hoje tenho este iPod em uso. Pela primeira vez ouvi falar em social media, em comportamentos online e até em Web 2.0 (really!). E aqui, fiquei fascinada em como isto é tudo uma evolução, como as coisas mudam, adaptam-se, crescem, terminam, renascem… O mesmo se passa na comunicação. As oscilações, as tendências, o que se fazia e o que se faz… na altura já era art director numa agência, onde fazer sites e backoffices, eram palavras que faziam parte do vocabulário nos nossos dias. Ligação com redes sociais, not so much.

E, a partir daqui foi um sobe e desce, e talvez uma inversão da pirâmide de Maslow. As necessidades invertem-se. É um show de informação, e contra-informação. Tudo de faz, e mostra-se, e partilha-se. Constroem-se vidas online. Vive-se de bancos de imagens, de estilos que não os nossos ou que gostaríamos que fossem, de ideias que são de todos e de ninguém, e de conversas abstratas, e amizades online. Claramente existe um novo conceito de amizade só para a versão online. Este online, ainda vai dar cabo do nosso offline.

Eu, vou voltar a jogar Tetris!

Livro perfeito para este tema: “Grace not Perfection”, da Emily Ley.

A foto tirei no Mercado de Izmailovsky, em Moscovo. Tudo era tão genuíno e antigo!

Sem comentários
Artigo Anterior
8 Janeiro, 2018

Sem comentários

Deixar comentário

Instagram

  • Fim-de-semana com tudo incluído! #friendsforlife #kids
  • Não parece mas ainda estou a trabalhar! Enquanto a @pereirinha78 não chega. 😂 #cabrizwine #friday
  • Até anoitecer! Dias grandes são os melhores! 👒 @pal_portugal  #palportugal #ilovecostadacaparica #portugalalive #portugaldenorteasul #kids #mykids #sunset
  • Nos meus tempos de direção criativa em gerir equipas o meu chefe disse-me que eu era demasiado transparente. Claramente ele lá percebeu que eu fiquei fula com alguma coisa! 😅 E hoje no encontro de marcas num grupo com pessoas novas e outras que já fazem parte da família dei por mim a refletir quais são de facto os objectivos que quero para mim. Para mim enquanto Filipa, enquanto designer, formadora e mais uns quantos chapéus que uso. 😜 Vivo absorvida de listas, de tarefas, de rotinas e tudo a funcionar lindamente, ainda bem! Mas hoje num grupo de partilha em que todos gerem o seu negócio os mais próximos perceberam que também a mim me falta algo. É visível — disseram-me! E falta sim! Sair da rotina, arrebentar a bolha e pensar no que quero fazer mais. Onde me leva o meu trabalho? 💡 Onde quero chegar?
  • A rua é sua! Lisboa a dar cartas e a mostrar como pode ser uma cidade cheia de vida! #lisboa #aruaesua #ilovelisboa #portugal
  • Party time! 🎉

Follow Me!